Just Married

Ontem fiz 10 anos de casada.  Não vou nem comentar o quanto o tempo passou rápido e nem entrar em detalhes de um relacionamento que na verdade já dura quase 17 anos – contando com o tempo de namoro.  Até porque precisaria de um blog exclusivo para contar todas as histórias, surpresas, sustos, alegrias, decepções, conquistas, viagens, brigas e milhões de outros momentos que vivemos juntos durante todo este tempo.  Muito tempo, muita coisa, ave Maria!  Também não vou fazer apologia ao casamento e muito menos destruir sonhos de mocinhas (e mocinhos, por que não?) que ainda querem casar e viver felizes para sempre.  Cada um tem seu caminho, suas escolhas e seu destino.

Quero falar sobre o evento casamento, que sem dúvida nenhuma, é um dos momentos mais inesquecíveis da vida de qualquer pessoa.  Me refiro à comemoração da união de duas pessoas.  Com ou sem glamour, com ou sem cerimônia religiosa, com ou sem dinheiro, com ou sem bem-casados, é a celebração do amor e da vontade declarada de duas pessoas de compartilhar o seu futuro com a outra.  É sacramentar a sua disposição de confiar à outra pessoa os seus sonhos e planos.

O meu casamento foi bem emocionante.  Na verdade, estava mais para uma novela mexicana de tanto que as pessoas choraram durante a cerimônia.  Até hoje não sei bem como se deu aquela comoção generalizada na igreja.  A única coisa que tenho certeza é que o desencadeador do chororô foi o Alexandre, que abriu o berreiro – chorou de soluçar mesmo – logo quando eu entrei na igreja.  Todos ficaram em choque.  O Alexandre?  O cara mais durão, mais racional e menos emotivo que todo mundo ali conhecia?  Eu nunca tinha visto ele chorar em 7 anos de namoro.  Quando dei de cara com ele no altar em prantos, achei por alguns milésimos de segundo que tinha acontecido alguma desgraça.  Que talvez ele estivesse arrependido.  Várias coisas me passaram pela cabeça até eu olhar para os lados e conferir que estava tudo certo.  Ele estava apenas emocionado. 🙂

Adorei ter preparado todos os detalhes do meu casamento.  É muita coisa para pensar e providenciar, confesso que fiquei quase louca, mas sinto saudades daquela época (apesar de parecer ter sido ontem).  O evento casamento implica em muitos preparativos, muitas decisões e muita energia.  Me lembro de alguns episódios muito divertidos que valeram todo o cansaço e o trabalho que tive, mas também de micos e coisas que deram completamente errado.

Esta é a minha listinha do melhor e do pior de um casamento (veja bem, de um evento de casamento, não dos meus 10 anos de casamento), desde os preparativos até a festa.

O MELHOR

– Fazer todas as degustações nos fornecedores: do coquetel, do jantar, dos docinhos, do bolo, dos bem-casados…é sem dúvida a melhor parte dos preparativos, já que na festa do casamento a noiva não come nada, ou se come, nem sente o gosto.

– Ver a cara da sua mãe (e da sua irmã) quando você experimenta um vestido de noiva pela primeira vez.

– Fazer o teste de cabelo e maquiagem e sair depois com as amigas para aproveitar o look.

– Escolher a playlist do DJ – a festa é sua, você escolhe tudo!

– Fazer listas de presentes nas lojas.  Você vai passeando com a vendedora pela loja e só vai dizendo: – Quero isso, isso, isso também, aquilo, aquele outro também…hum, acho que quero esse aqui também…

– Convidar as madrinhas e padrinhos.  É uma forma de dizer o quanto aquelas pessoas são especiais na sua vida.

– Dar tchauzinho de dentro do carro quando você está indo para a igreja vestida de noiva.  Todas as pessoas param para olhar e você se sente a própria miss universo.

– O frio na barriga e o nó na garganta que dá quando as portas da igreja abrem e a música toca para você entrar – não, eu não entrei ao som da marcha nupcial (muito padrão para a minha cabeça ;))

Ganhar aplausos após o beijo na igreja. Há 10 anos atrás isso não era comum, foi a primeira vez que vi um padre pedir aplausos para os noivos.

– No meu caso, ter parado durante a saída da igreja para dar um beijo na minha avó, que estava sentadinha em um dos primeiros bancos com os olhos cheios d´água.

– Saber que naquele dia você conseguiu reunir todas (ou quase todas) as pessoas que você mais gosta, simplesmente para comemorar a sua felicidade.

– Levar para a lua de mel uma caixinha com os doces e bem-casados da festa.

O PIOR

– Sem dúvida, fazer a lista de convidados, quer dizer, fazer o corte na lista de convidados.  O problema é ainda maior se você trabalha e se relaciona bem com todo mundo do escritório.

– Ainda no assunto lista, ter que convidar a tia avó do seu pai que mora em Pirapora do Norte porque se não convidar, fica chato para a família.

– Se for casar na igreja, ter que combinar a decoração com as outras noivas do dia.  Se pega uma menina brega e chata, é uma dor de cabeça sem fim.

– O episódio igreja tem muitas chatices, uma delas é reunir toda a documentação exigida, que inclui certificado de Batismo e Comunhão.

– Ter que fazer curso de noivos.  Definitivamente inútil.

– Fazer planilhas e planilhas para conseguir controlar os gastos intermináveis.

– Ser explorada pelos fornecedores que acham que você é uma mina de ouro.  Eles tem plena convicção de que, como o casamento geralmente é a realização de um sonho, podem cobrar o que quiserem pelos seus serviços.

– Ter a sensação (e a constatação) de ter gasto uma fortuna em uma só noite.

– Perceber no meio da festa que algum fornecedor não entregou o que foi combinado.  Sim, aconteceu comigo.  Sem comentários.

Mas no final, só ficam as lembranças boas e um gosto de quero mais.  Se não estivéssemos tão falidos com a compra do apartamento novo, com certeza faríamos alguma comemoração nestes 10 anos de casados.

Hoje, bem mais do que há 10 anos atrás, sabemos o quanto esta data merece ser comemorada.

O auge do chororô. E as luvas que eram um must há 10 anos atrás?

Choradeira geral

O início dos 10 anos

%d bloggers like this: