Sonho em pó

Ontem caiu do céu

Do céu de sol dourado

Dourado que ofusca os olhos e faz esquecer

Esquecer o anteontem e todo o antes de anteontem

Pé no chão, chão de seca, seca que racha

Racha o chão e os sonhos do menino

que sonha inteiro mas quando acorda o sonho quebra

Quebra no meio e depois em pedaços

Pedacinhos que viram pó, como a terra seca

Pó que gruda na cara e faz arder os olhos

e que a lágrima limpa fazendo listras

Listras molhadas nas bochechas vermelhas

inflamadas, inchadas de choro e do tapa estalado

No menino, no irmão, na irmã, no outro irmão

do pai que sente raiva quando vê murchar

o boi, o bode, o pé de milho, de feijão

Chora de fome, mas bate de raiva

De querer verde e só ver marrom

E não sonha mais como o menino

que também sente raiva, mas não bate

Só reza e espera que o pó vire barro

que o caminho árido volte a ser rio

que o boi desencoste da árvore sem folhas

que o bode berre e o milho apareça

que as bochechas parem de latejar

Beberia suas lágrimas se fossem doces

Doces como as lágrimas de Deus

Deus, que só se lembrou ontem

E chorou sobre o sertão.

O primeiro sonho a gente nunca esquece

Há exatamente 20 anos realizei o primeiro sonho da minha vida.  No dia 10 de janeiro de 1992 pisei pela primeira vez na Disney.

Desde muito pequena pedia para o meu pai me levar para a Disney, mas na adolescência, me dei conta de que o lugar mais distante que tinha visitado com meus pais até então, era o Rio de Janeiro.  Todas as férias, a mesma briga.  Minha mãe querendo conhecer algum lugar diferente, eu e minha irmã pedindo para passarmos alguns dias em alguma praia que não fosse Guarujá ou Ubatuba, que eram os destinos certos de todas as férias, alternados com a casa da minha avó, em Pindamonhangaba.

Meu sonho era conhecer a Disney com a minha família, queria muito ter meus pais e minha irmã ao meu lado neste momento, mas sabia que isso tornava meu sonho ainda mais distante.  Definitivamente isso não ia acontecer.  O jeito foi começar a pedir a viagem só para mim, que nesta altura do campeonato já estava bem grandinha e poderia muito bem ir sozinha em uma excursão.  Infernizei a vida do meu pai, não perdia uma oportunidade de pedir, chorar e mostrar o quanto queria fazer aquela viagem.  Mas não adiantava, ele não cedia.  Meu pai é a pessoa mais teimosa que eu conheço. Mas eu sou insuportavelmente insistente e não desistiria até conseguir.

Estive quase perto de conhecer a Disney no meu aniversário de 15 anos.  Meus pais deixaram escapar que o meu presente seria a sonhada viagem, mas a conjuntura política-econômica do Brasil nesta época não estava querendo colaborar muito com os meus planos.  Neste ano de 1989 a inflação estourou, o Collor foi eleito Presidente da República e no início de 90, a simpática e carismática Zélia Cardoso de Mello congelou as cadernetas de poupança de todos os brasileiros.  Ninguém mais podia usar o dinheiro economizado por uma vida inteira de trabalho, e é claro que o meu presente foi pro beleléu.  Este acontecimento afetou tão profundamente a vida de tantas pessoas – que estavam prestes a comprar uma casa, que precisavam do dinheiro para despesas médicas e mil outras situações urgentes e desesperadoras – que adiar mais uma vez a minha viagem não foi o fim do mundo.  Pelo menos a possibilidade foi cogitada, o que já era um grande avanço.  Em 1991 a situação do país deu uma melhorada e eu retomei com todas as forças minha campanha para convencer meu pai da viagem.

No final do ano – acho que era outubro/91 – fomos até a Stella Barros, famosa pela sua especialidade em levar crianças desacompanhadas em TOTAL segurança para a Disney, “só” para pegar algumas informações sobre as excursões.  Estávamos eu, minha mãe, meu pai e minha irmã, e ficamos durante muito tempo ouvindo a moça explicar todos os diferenciais da viagem feita com a tia Augusta (nesta época a tia Augusta trabalhava para a Stella Barros, mais tarde elas se separaram e Tia Augusta abriu sua própria agência), mostrar todos os folhetos dos parques e opções de roteiros, datas e preços.  Meu pai balançava a cabeça, concordando com o que a moça falava – principalmente quando ela detalhava todas as precauções que eram tomadas para garantir a segurança dos menores -, minha mãe parecia bem apreensiva, minha irmã impaciente e eu quase explodindo de tanta ansiedade.  Estava prestes a completar 17 anos, mas naquele momento parecia uma menina de 8.  Lembro que não conseguia prestar atenção em nada do que ela falava – até porque já sabia tudo aquilo de cor – só ficava tentando decifrar a expressão do meu pai, na esperança de algum sinal que indicasse uma chance de ele concordar e fechar a viagem.  Mas já tínhamos ido algumas vezes à agências de viagens para pegar informações, e o final da conversa era sempre o mesmo: – Muito obrigado, vamos pensar um pouco e voltamos a entrar em contato.  Toda vez um belo balde de água fria na minha esperança.

Mas desta vez foi diferente.  Me lembro como se fosse hoje.  A moça acabou de falar, e por um momento – que para mim pareceu uma eternidade – ficamos todos em silêncio.  O meu silêncio era o mais profundo, até a minha respiração estava suspensa na expectativa da sentença final.  Meu pai suspirou, virou todo o corpo em minha direção, olhou bem nos meus olhos e disse: – É isso que você quer MESMO?  Minha respiração quis voltar mas eu respondi que sim antes mesmo de inspirar o ar que estava me faltando.

Ele voltou-se para a moça e disse: – Vamos então fechar a viagem para as duas (eu e minha irmã, que ganhou a viagem no vácuo, de mão beijada), na saída do dia 9 de janeiro.

Assim meu sonho foi realizado.  E foi ainda melhor do que eu imaginava.  Minha prima Renata foi com a gente e pela primeira vez na vida andei de avião.  Chegamos no próprio dia 9 à noite em Orlando e no dia seguinte já estávamos cedinho no Magic Kingdom.  Não tenho como explicar a sensação que tive quando entrei no parque.  Me lembro de cada momento, do cheiro, do vento gelado do inverno de -2ºC (que nem me incomodava, passei o dia inteiro de camiseta) e da minha felicidade naquele lugar mágico.  Me diverti muito, me surpreendi, me encantei, me emocionei, chorei de alegria.

Quase 10 anos depois, em agosto de 2000, voltei à Disney com meu marido, que na época ainda era meu namorado.  Foi o máximo, mas foi diferente, não tinha o gosto da primeira vez.

Hoje tenho mais um sonho: levar meus filhos para a Disney.  Quero que seja no momento certo, que seja especial, esperado, desejado, planejado.  Quero  poder dar este presente para eles.  Quero ver nos olhinhos deles a emoção de passar por esta experiência.  Vai ser diferente da minha, cada um vai sentir e aproveitar da sua maneira particular, mas com certeza será um momento inesquecível para todos nós.  Inesquecível como a minha viagem de 92,  inesquecível como todo sonho que se realiza.

%d bloggers like this: